05/11/2020 • Segurança

 Tempo de leitura: 5 min

Tendências de segurança eletrônica no pós-pandemia

 

A pandemia do novo Coronavírus causou impactos em todos os setores da economia. Como consequência, houve um aumento no desemprego, na desigualdade social e, também, na violência. Nos condomínios, por exemplo, o número de golpes disparou, o que pode prejudicar a proteção do espaço e dos condôminos. Nos espaços comerciais, por outro lado, houve um aumento de furtos, já que muitos lugares ficaram vazios. Por isso, a segurança eletrônica se tornou ainda mais relevante.

Com os recursos certos, é possível garantir que os ambientes fiquem devidamente protegidos, inclusive no período pós-pandemia. Para tanto, as empresas e os espaços residências têm se adaptado.

Pensando nessa situação, veja quais são as tendências de segurança eletrônica para o período após a pandemia,

Fortalecimento da abertura de portas via dispositivos eletrônicos

Uma das principais formas de contágio pelo novo Coronavírus é o contato com superfícies contaminadas. Se uma pessoa doente encostar em um local e deixar fluidos contaminados, quem encostar depois e tocar nos próprios olhos, nariz ou boca também pode se contaminar.

O problema se torna ainda mais intenso em certas superfícies, como no metal. Afinal, o vírus pode sobreviver por quase 10 dias nesses locais. Então, fica claro que portas e outros pontos de acesso se tornaram um ponto de atenção, diante dessa situação.

A segurança eletrônica pode ajudar ao permitir o acesso a ambientes sem a necessidade do toque, como uso da chave. Em vez da biometria, é possível utilizar tags, que são lidas eletronicamente. Como consequência, o ambiente fica mais protegido não apenas contra invasores, mas também contra uma propagação de doenças.

Crescimento do monitoramento de acesso via vídeo

A pandemia também fez com que muitas atividades fossem suspensas, o que colocou dezenas de trabalhadores para operar remotamente. A princípio, o setor de segurança foi considerado como serviço essencial e não teve que paralisar as atividades.

No entanto, é preciso considerar que o trabalho físico não precisa ser a única alternativa para garantir a proteção patrimonial. Em vez disso, é possível atuar com as tecnologias certas, como no caso de monitoramento de acesso via vídeo.

Com essa tendência, quando alguém solicita a entrada no condomínio, por exemplo, há uma comunicação direta com uma central de monitoramento. Se a pessoa estiver cadastrada ou for autorizada, o acesso é liberado. Desse modo, há menos vulnerabilidades e uma atuação mais adequada.

Adoção da portaria virtual e remota

A questão da atuação por vídeo leva diretamente para outra tendência interessante: o uso de portaria inteligente, do tipo virtual e remota. Essa é uma forma de substituir a atuação in loco, que ficou tão prejudicada na pandemia em tantos setores, por uma abordagem à distância e eficiente.

Novamente, há a figura da central de monitoramento, que faz todo o trabalho de portaria. Os atendentes fazem o contato com o morador e, mediante aprovação, há a liberação remota do acesso.

Além disso, na pandemia houve um crescimento do número de pedidos via delivery e de compras online. Com mais encomendas chegando aos ambientes protegidos, a atuação eficiente da portaria é indispensável. No momento após a pandemia, isso permite que o recebimento de encomendas aconteça diretamente na portaria, sem ameaçar a proteção do local.

Em um momento em que outras atividades já tiverem voltado ao normal, também é possível contar com a recepção virtual em eventos. Festas e reuniões promovidas por um condômino não precisam deixar as portas abertas para pessoas mal-intencionadas, o que ajuda a proteger a todos no local.

Reforços dos elementos de proteção perimetral

A segurança eletrônica não envolve apenas os elementos relacionados aos sistemas virtuais e uso de câmeras com controle à distância. Dispositivos voltados para a proteção perimetral também são importantes — e fazem parte das tendências para o período pós-pandemia.

É possível utilizar diversos recursos que previnem contra invasões, como câmeras de monitoramento e sensores de infravermelho. Há, até mesmo, opções de amplo alcance, as quais ajudam a evitar as vulnerabilidades de maneira completa.

Outra possibilidade consiste na cerca elétrica personalizada. Além de ter atuação física, é capaz de estabelecer uma comunicação com a central de monitoramento. Com isso, há uma atuação integrada, com foco em manter o ambiente totalmente protegido.

Ampliação do nível de automação

Já que o assunto envolve a segurança eletrônica, faz sentido ampliar a adoção de tecnologia em busca de resultados melhores. Por isso, uma das alternativas envolve os elementos ligados à automação.

A possibilidade de ligar ou desligar um exaustor à distância, por exemplo, evita deslocamentos desnecessários, ao mesmo tempo em que previne acidentes.

Em relação à limpeza, a porta de acesso à lixeira pode ter horários específicos de abertura. Com isso, ela é usada somente quando os colaboradores realmente estão em atuação.

Já os sensores que alertam sobre os níveis de água são ideais para garantir economia e evitar o desabastecimento. Com a redução nos custos de água do condomínio, por exemplo, também há uma redução na taxa. Em um período de crise, como aquela provocada pela pandemia, isso é essencial para os condôminos.

Busca crescente por melhorias

Além do mais, as empresas de segurança eletrônica precisam estar preparadas para novos desafios. Isso significa que é indispensável que ocorram melhorias contínuas no segmento, até mesmo para atender às novas necessidades.

Nesse sentido, uma tendência envolve, justamente, a evolução nas soluções e nas novidades. Um fornecedor confiável será capaz de apresentar novas alternativas com frequência, de modo a se adaptar ao que já é conhecido como “novo normal”.

Essa é uma abordagem que faz sentido considerando a necessidade crescente de atuação remota do trabalho, a economia de custos e a evolução na eliminação de vulnerabilidades. Somente por meio da evolução e do uso das novas tecnologias e funcionalidades que será possível ter maior proteção efetiva.

A segurança eletrônica no período pós-pandemia promete receber ainda mais atenção, com recursos funcionais, integrados e inovadores. Com a escolha adequada de um fornecedor, será possível, até mesmo, observar uma evolução nas soluções, com a adoção de novas alternativas.

Se não quiser perder nenhuma novidade, tendência ou atualização, curta a nossa página no Facebook e siga o nosso perfil no Instagram!

Consis Segurança em Condomínios

-