26/11/2018 • Segurança

 Tempo de leitura: 3 min

Anéis de Segurança em condomínios verticais: saiba como protegê-los

 

Desde a porta do seu apartamento até o portão de saída, existe uma série de barreiras conhecidas como anéis de segurança que, como o próprio nome diz, funcionam como uma proteção para o condômino.

Mas você sabia que é possível incrementar ainda mais a segurança em cada uma dessas etapas? Confira aqui:

  1. Acesso Externo de Pedestres / Portão de Veículos
  2. Perímetro Externo
  3. Acesso Interno de Pedestres (porta hall, porta garagem, porta corta-fogo, etc.)
  4. Elevadores
  5. Apartamento

 

A clausura no portão de veículos aumenta consideravelmente a segurança do condomínio.

1 – Acesso Externo de Pedestres / Portão de Veículos

Essas áreas correspondem aos locais de acesso, como portões de pedestres e veículos. São áreas que precisam de atenção redobrada: a maioria das invasões a condomínios acontece justamente pela porta da frente. O descuido e o descumprimento das normas internas pelos profissionais do condomínio, ou até mesmo pelos próprios moradores, compromete a segurança e pode permitir a passagem de meliantes sem maiores dificuldades.

O uso integrado de câmeras de vigilância e controle de acesso permitem um nível maior de precisão no controle de pessoas e veículos, visto que através das câmeras o operador da central de monitoramento consegue visualizar o local ao receber um evento de alarme.

2 – Perímetro Externo

O perímetro externo é a uma das primeiras barreiras que o meliante procura transpassar. Essa área é composta pelos muros que rodeiam o condomínio. Uma ótima forma de garantir uma proteção extra nesses locais é investindo em barreiras físicas e eletrônicas integradas a um sistema de alarme.

Equipamentos como câmeras, barreiras eletrônicas e cercas elétricas não apenas incrementam sua segurança como também inibem a ação dos meliantes: o bandido encontra dificuldades já na primeira etapa e pode acabar desistindo da ação.

As cercas elétricas podem ser integradas ao sistema de monitoramento.

3 – Acesso Interno de Pedestres

Dentro do perímetro, mas ainda fora do prédio. Acessos através da portal hall, garagem ou porta corta-fogo por exemplo, devem ter o mesmo procedimento que um acesso externo, ou seja, controle de acesso conectado a câmeras de monitoramento. Isso facilita a identificação de um possível arrombamento. Quando se tem uma câmera integrada a um controle de acesso e a uma central de monitoramento, o operador tem condições de acionar os órgãos públicos competentes rapidamente.

4 – Elevadores

Um sistema de controle de acesso permite a gestão de acesso ao elevador e também ao andar em que se pode chegar, isso é fundamental para aumentar ainda mais o nível de segurança. Saídas de emergência também devem ser integradas ao controle de acesso sem maiores problemas, visto que, em casos emergenciais, todos os acessos podem ser automaticamente liberados.

Elevadores das garagens precisam ter liberação através de tags.

5 – Apartamento

O apartamento do morador é o alvo principal e, muitas vezes, ele próprio pode facilitar a ação do bandido. Muitas pessoas, afetadas pela sensação de segurança que o condomínio traz, acabam deixando de trancar a porta do apartamento. Sistemas de segurança ajudam, e muito, a proteger o condomínio, mas a verdadeira segurança é feita em conjunto.

É preciso conscientizar os moradores e incentivar que essas medidas preventivas façam parte da rotina condominial. Cuidados como manter bicicletas cadeadas e portas dos apartamentos trancadas, assim como não deixar objetos de valor no interior do veículo e o respeito às normas internas, são essenciais. Só com a ajuda de todos, o condomínio estará realmente seguro como um todo.

Gustavo Hiendlmayer

Diretor executivo